quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Elas cantam Paulinho da Viola



Paulinho da Viola é tudo de bom! Começar o ano ouvindo suas músicas na voz de grandes cantoras, então, nem se fala!

Aqui vai minha dica para abrir o ano com o belo repertório do CD Elas Cantam Paulinho da Viola, que está sendo lançado pelo selo Lua Music. Veja mais sobre o disco no blog Acordes, de Toninho Spessoto.

As apresentações deste fim de semana, no Sesc Vila Mariana, trazem as cantoras Fabiana Cozza, Cida Moreira, Alaíde Costa e Milena, acompanhadas de sexteto formado por piano, contrabaixo, bateria, violão, percussão, cavaquinho/bandolim.

Onde: Sesc Vila Mariana - Rua Pelotas, 141 - perto da Estação Ana Rosa do metrô - Telefone: (11) 5080-3000)
Quando: sábado (2) às 21 horas; e domingo (3), às 18 horas.
Quanto: R$ 7,50 a R$ 30.

Aproveito para dar a dica em cima da hora: hoje, 22 horas, na TV Cultura, tem especial FABIANA COZZA!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Boa época para pôr em dia a vida cultural

Quem fica em Sampa deve aproveitar este como o melhor período para pôr em dia todos os eventos que não pôde acompanhar ao longo do ano, e um bom exemplo são as exposições. Claro que não garanto nada vazio, muita gente fica na cidade, por mais que outros tantos viajem...

Com certeza tudo tem menos pressa e ainda dá para aproveitar os fins de tarde bem claros... Eu mesma ando bem atrasada em relação a isso, e indico duas às quais ainda não pude ir.



GRAFFITI FINE ART – ESTILOS

A arte urbana da exposição Graffiti Fine Ar – Estilos mostra ao público os traços dos artistas Gueto, Finok, BTS, Nem, Funto, Tikka, Markone, Shock, Boleta, Ciro e Ronah. A curadoria é do grafiteiro Binho Ribeiro. São trabalhos em tela, formando painéis de 1,5 m x 3 m, em diferentes estilos do grafite, como o figurativo, o abstrato e a caligrafia.

Onde: Museu Brasileiro da Escultura (Mube) – Avenida Europa, 218 – Telefone: (11) 2594-2601
Quando: de terça a domingo, das 10 às 19 horas – Até 10 de janeiro.
ENTRADA FRANCA

EXPOSIÇÃO SOBRE O PRIMEIRO EDITOR BRASILEIRO

O Museu Afro-Brasil tem um grande acervo permanente, e vale a pena chegar cedo para visitá-lo com mais tempo. A exposição itinerante atual é sobre Francisco de Paula Brito – 200 Anos do Primeiro Editor Brasileiro (1809-2009), que de aprendiz de tipografia tornou-se maior personalidade da história editorial do Brasil. A exposição revela a história do iniciador do movimento editorial brasileiro e sua contribuição valorosa no progresso da arte tipográfica.

Em plena sociedade escravista, Paula Brito (1809-1861) foi tipógrafo, litógrafo, editor, jornalista, tradutor, poeta, contista e teatrólogo. A mostra reúne obras que foram impressas, traduzidas e escritas pelo carioca, que foi também um dos primeiros contistas brasileiros.

A exposição conta com painéis, imagens das principais publicações e cenas do cotidiano do Rio de Janeiro no século XIX. Entre os livros, estão os 37 volumes da gigantesca Coleção Brasiliana, que pertencem à Biblioteca José e Guita Mindlin. Outras dez publicações são da coleção particular do diretor-curador do Museu Afro-Brasil, Emanoel Araujo, que também assina a curadoria da mostra.

A “Tipografia Fluminense de Brito & Cia.” passou a ser ponto de encontro de políticos e intelectuais como Machado de Assis. De sua tipografia saíram obras como “O Mulato” e o jornal “O Homem de Cor”; a primeira revista cultural de importância, a “Guanabara”; e o primeiro jornal brasileiro dedicado à luta contra o preconceito racial, o que lhe rendeu mais um título, o de precursor da imprensa negra.

Engajado na luta abolicionista, Paula Brito militava contra a escravidão e a favor da igualdade racial, antes mesmo de expoentes da causa como José do Patrocínio e Joaquim Nabuco terem nascido. Ele morreu 27 anos antes da Abolição da Escravatura no Brasil.

Realização: Museu Afro-Brasil e Governo do Estado de São Paulo, com patrocínio da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e apoio da Prefeitura de São Paulo.

Onde: Museu Afro-Brasil – Rua Pedro Álvares Cabral, s/nº - Pavilhão Manoel da Nóbrega – Parque do Ibirapuera, portão 10 (estacionamento: Portão 3) – Telefones: (11) 5579-0593 / 8542 / 7716 / 6399
Quando: de terça a domingo – das 10 às 17 horas (permanência até às 18 horas)

Agendamento de visitas em grupo pelo e-mail agendamento@museuafrobrasil.com.br

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Beatles – tudo a ver também com o Natal



Escolhi a beleza eterna da música dos Beatles para este post especial de Natal. No dia 13 de dezembro, fui assistir à apresentação final do 2º Festival Internacional de Violão, em homenagem ao violonista, compositor e maestro cubano Leo Brouwer, realizado em conjunto pelo Departamento de Música da ECA/USP, Sesc SP e Instituto Cervantes.

Num domingo festivo no Sesc Pinheiros, o próprio Brouwer regeu a Orquestra de Câmara da USP (Ocam), em apresentação que teve participação especial do violonista argentino Victor Pellegrini. Foi um animado encontro entre os jovens músicos da orquestra e dois músicos experientes e internacionalmente reconhecidos, que ao final brindaram a plateia com um lindo arranjo – criado por Brouwer – para músicas dos Beatles: From Yesterday to Penny Lane.



Soube, a partir de pesquisas, que Brouwer recebeu em Havana, em julho, o Prêmio Nacional de Cinema 2009, em cerimônia efetuada na sala Charles Chaplin. E que ele é autor de uma centena de trilhas, entre as quais a do lindo filme mexicano Como Água para Chocolate (1991).

Regendo a orquestra, o septuagenário Brouwer parecia um adolescente, pulando e vibrando. E que bonito ver aqueles jovens curtindo músicas de pelo menos 20 anos antes de nascerem!

E não é que Beatles combinam com tudo e nunca saem de moda? No Youtube, há muitas preciosidades em arranjos para suas canções. São muitas opções para seus fãs se deliciarem. Há até uma curiosidade, She’s leaving home, em gravação acústica de Roupa Nova, com orquestra de cordas. Não sou particularmente fã do grupo, mas a gravação feita em Londres está bem bonita, apreciem:



Destaco mais algumas pérolas – em arranjos que nem de longe lembram algumas das interpretações rebuscadas ou bregas de orquestras que conhecemos:

Penny Lane, em arranjo de Leo Brouwer para violão – executado pelo também cubano Rafael Padron – e a orquestra de cordas Camerata Latino-Americana:



* Eleanor Rigby:



* Yesterday não poderia faltar:



* She’s leaving home:





Brasileiros também amam Beatles. Os integrantes do Clube da Esquina sempre fizeram questão de ressaltar, nas harmonias e nas letras, sua paixão pelo quarteto. Zé Ramalho, Rita Lee e Lulu Santos – só para citar alguns – também já declararam seu amor ao quarteto. Em setembro, os violonistas Fernando Melo e Luiz Bueno, do Duofel, ao completar 20 anos de carreira fonográfica, lançaram, pela Fine Music, Duofel Plays The Beatles, com releituras bem personalizadas de Eleanor Rigby; Got To Get You Into My Life; Across The Universe; Norwegian Wood; e Mr. Moonlight – que ganhou tom de moda de viola –, entre outras.



Sá & Guarabyra lançam Beatles 70


Outra dupla que deu sua própria versão às músicas dos Beatles é Sá & Guarabyra. Seu disco-tributo Beatles 70, produzido por Marcelo Fróes para seu selo Discobertas, chegará às lojas em abril de 2010, para celebrar os 40 anos do lançamento do último álbum do quarteto, Let It Be. A ideia era contar com a companhia de Zé Rodrix, mas sua repentina morte, em maio deste ano, impediu novo encontro do inesquecível trio Sá, Rodrix & Guarabyra.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Brittany Murphy dá adeus



Iniciei a semana em choque ao saber da morte da jovem atriz Brittany Murphy. Como assim, morreu aos 32 anos, de ataque cardíaco? Claro que surgem especulações as mais diversas, entre elas a de abuso de drogas e anorexia. Recentemente, seus vizinhos chamaram a polícia porque ela estaria totalmente descontrolada...

Para mim, o que importa, é que sempre achei que ela tinha muito talento, embora tenha ficado apagada perto de uma atriz da mesmíssima geração e tipo físico semelhante (loira, baixinha e magrinha), Reese Witherspoon, que fez papéis em filmes de mais destaque. Com outra da mesma geração, Alicia Silverstone, Brittany surgiu em As Patricinhas de Beverly Hills (1995).

Desde adolescente, ela estrela comédias e dramas em que geralmente faz papéis de jovens imaturas, problemáticas, desequilibradas e muitas vezes autoritárias. Não raro aparece com visual junkie, com maquiagem borrada e olhar distante. Como Heath Ledger – que morreu ainda mais jovem e de maneira semelhante há quase dois anos – estaria ela sendo influenciada por seus personagens desequilibrados, ou vice-versa?

Em 1999, ela fez o drama Garota, Interrompida, em outro papel de jovem problemática, ao lado da já consagrada Winona Ryder, em filme que impulsionou a carreira de Angelina Jolie.

Na minha opinião, sempre dava conteúdo denso a seus personagens, e era bastante versátil, tanto que também cantava e deu vida a personagens em vários desenhos animados, incluindo Happy Feet.

Em Grande Menina, Pequena Mulher (2003), Brittany é Molly, herdeira que de repente se vê cheia de dívidas e arranja um emprego de babá. Acontece que sua “patroa”, a menina Dakota Fanning (Ray), é mais adulta e séria que ela – responsável até demais para a idade, pois aprendeu a se virar sozinha, já que os pais nunca estão em casa –, e uma aprende com a outra. É uma agradável comédia, em que as duas mostram grande talento. Esse filme sempre passa na TV, e hoje (22/12), às 14 horas, será apresentado no Universal Channel (43 da Net). No mesmo ano, ela fez outra comédia bem divertida, Recém-Casados, desta vez com o então namorado, Ashton Kutcher, em que eles saem em lua de mel pela Europa e nada dá certo.

Outros filmes de Brittany são: o suspense Refém do Silêncio (2001), com Michael Douglas; 8 Mile – Rua das Ilusões (2002), com o rapper Eminem e Kim Bassinger; Sin City (2005), ao lado de Bruce Willys; e o deprimente A Garota Morta (2006), com Toni Collette. Recentemente, ela lançou nos EUA o thriller Across the Hall, e finalizou o filme de ação The Expendables, de Sylvester Stallone.

Ao saber da morte da ex-namorada, divulgada no domingo, o ator Ashton Kutcher publicou uma mensagem no Twitter: “O mundo perdeu um pequeno raio de sol”.

FÁBIO BARRETO

Nem bem lançou o polêmico filme Lula, o Filho do Brasil (que só estreia em janeiro), o cineasta Fábio Barreto está em coma induzido após sofrer um grave acidente de carro na noite de sábado, em Botafogo. Sei bem a tristeza de ter um parente nesse estado, e torço para que o filho do produtor Luiz Carlos Barreto, o “Barretão”, fique bem logo, a exemplo do dramaturgo Mário Bortolotto, atingido por tiros em assalto há duas semanas, que se recupera bem.

Fábio Barreto dirigiu dezenas de filmes, entre os quais O Quatrilho (1995) e Índia, a filha do sol (1984) – ambos com Glória Pires, que também estrela Lula...; Luzia homem (1988), com Cláudia Ohana; A Paixão de Jacobina (2002); e Bela Donna (1997), com Florinda Bolkan. Em 2007, fez a adaptação nacional do seriado de TV Desperate Housewives. MUITA FORÇA PRA ELE!!

sábado, 19 de dezembro de 2009

Livros para quem ama cinema e São Paulo

Para este fim de semana e início de férias para muita gente, separei livros lançados recentemente cujos temas são minhas paixões: cinema – mais especificamente Mazzaropi, “caipira” paulistano; e São Paulo, vista pela ótica do tradicional bairro da Mooca.




MAZZAROPI – O caipira mais caipira do Brasil, foi escrito pelo cineasta e jornalista Galileu Garcia, que trabalhou como assistente de direção em vários dos filmes do grande ator e personagem, retrato vivo do brasileiro. Garcia, autor do roteiro de Pedro Malasartes, trabalhou com Mazzaropi em vários de seus 32 filmes, desde o primeiro, Sai da Frente. Ele relata momentos da vida e da carreira de Mazzaropi – aplaudido de pé no circo, no teatro e no cinema – com maestria de encantar. Mais que um livro, faz um registro da história deste artista que hoje é patrimônio nacional, e encanta até hoje muitas gerações, com seu humor simples e que documentou uma época em que cresciam as cidades, sem deixar de lado a crítica ao político demagogo. Cada capítulo, fotografia e ficha técnica dos 32 filmes que ele fez leva a uma viagem cheia de encanto e magia.

Lançado pela Editora Ilelis, tem 176 páginas e custa R$ 49,80 (na Livraria Cultura)
Fonte: Revista Company Sul – por Adenildo Lima, professor, poeta, coordenador editorial, escritor e palestrante.

CRÔNICAS DA MOOCA – Com a benção de San Gennaro

O jornalista Mino Carta resgata a memória do tradicional bairro paulistano e as trajetórias de distintos moradores. Em texto envolvente e apaixonado, Mino retoma os hábitos cultivados no bairro – entre eles a torcida pelo time de futebol, o espaço público constituído no hipódromo, a culinária e indústrias pioneiras, além da típica festa de San Gennaro. A obra revive momentos históricos da capital paulista, como “as greves de 1917 e 1919, a revolução de 1924, de lutas pela democracia, que tiveram por palco o bairro da Mooca”, nas palavras de Nelson Schapochnik, autor da orelha da edição.

O ensaio traz flagrantes de um bairro vivo, que acumulou tradições, mas não passou inócuo pelo processo de urbanização acelerada da cidade de São Paulo. Recheado de fotos antigas e atuais, que se encarregam de mostrar os efeitos do tempo. Na definição do fotógrafo Hélio Campos Mello, “São Paulo cresceu para cima, cresceu para os lados, e a Mooca foi obrigada a sacrificar boa parte de sua personalidade em troca dos condomínios verticais, com suas áreas de lazer e sua autossuficiência fechadas atrás de grades e de muros altos”. “Costumo revisitar pessoas e lugares, vivos porque vivo estou. (...) No bairro, se ando nele como em outros tempos, toma-me algo mais fundo que a própria saudade de mim mesmo”, relata Mino.

Criador de vários jornais e revistas que revolucionaram a imprensa de São Paulo, Mino Carta é diretor de redação da revista Carta Capital. Hélio Campos Mello, fotógrafo, é diretor de redação da revista Brasileiros.

Escrito por Mino Carta, com fotos de Hélio Campos Mello, Crônicas da Mooca tem 96 páginas e custa R$ 29. Integra a Coleção Pauliceia da Boitempo Editorial, coordenada por Emir Sader, e da qual recomendo também Meu Velho Centro, de Heródoto Barbeiro.


Foto by Laila, tirada na Mooca

BURACO também é cultura?

Este “buraquinho” é uma pequena amostra de como estão as ruas pela cidade. Ruas e calçadas. Você dirá: pedestre não deve andar pela rua! Ora, e pra atravessá-la? As faixas de pedestres também estão em petição de miséria, e a gente tem de andar pisando em ovos na hora de atravessá-las, por três motivos: pra ver se todos pararam mesmo pra você atravessar; pra ver se ninguém vai furar o sinal; e pra não virar o pé e cair no meio da rua, como já aconteceu comigo!! E, com tudo isso, tem de passar depressinha, senão o sinal fecha de novo! E isso tem a ver com cultura, sim, pois numa queda brava, fiquei de molho em casa por um mês, sem poder nem ir ao cinema de metrô e caminhando, como gosto!


Foto by Laila, tirada na Mooca


SÃO PAULO Abandonada & Antiga

Para quem, como eu, curte conhecer São Paulo e quer saber mais sobre a cidade, recomendo navegar pelo site São Paulo Abandonada & Antiga, feito por quem luta para preservar a memória da cidade e por sua restauração e conservação.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Peça lúdica conta história de uma palhaça



Esta peça parece bem lúdica e interessante. Tem apresentações gratuitas de hoje a domingo, na Caixa Cultural. É da suíça Gardi Hutter, palhaça com quase 30 anos de carreira, que apresenta no Brasil o espetáculo solo “O Ponto”, após turnê em toda a Europa, além de Rio de Janeiro e Brasília, trazida pelo grupo Lume de Teatro.

Neste espetáculo, Joana vive no subsolo de um teatro. Personalidade clown consagrada na peça Joana D’arpo, ela é um “ponto” que vive para o teatro, representando a memória viva dos atores durante suas apresentações: uma vez esquecida a fala, discretamente sussurra o trecho que se segue. Joana é uma trabalhadora apaixonada e, por morar debaixo de um antigo palco, quase não precisa sair da cama para cumprir sua função. Lá mesmo ela se diverte, olhando o mundo por uma estreita abertura no chão. Só que, um dia, o velho teatro é substituído por outro mais moderno, e ninguém se lembra dela...

Onde: Grande Salão da Caixa Cultural São Paulo – Praça da Sé, 111 – Telefone: (11) 3321-4400
Quando: de hoje (17) a sábado (19), às 20 horas; e domingo (20), às 19 horas
Entrada gratuita – retirar os ingressos com 2 horas de antecedência

Para outras informações sobre a artista, clique aqui.

*********************

DOIS ANDRÉS

Outro dia falei aqui de André Mehmari, e hoje falo de dois “Andrés”, que coincidentemente se apresentam em dois dias seguidos no Sesc Pinheiros: André Madi, hoje, e André Christovam, amanhã.



O cantor, compositor e violonista André Madi apresenta o show “Os Olhos Musicais”. Acompanhado do pianista Paulo Calasans, traz uma genuína mistura de sons e ritmos com canções autorais e parcerias, além de releituras de músicas consagradas.

Onde: Auditório do 3º Andar do Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195 – Telefone: 3095-9400
Quando: hoje (17), às 20 horas.
Quanto: de R$ 3 a R$ 12.



MANDINGA 20 ANOS

O consagrado músico André Christovam relembra o disco “Mandinga”, lançado há exatos 20 anos, e aclamado hoje como o primeiro disco de Blues Brasileiro com todas as letras em português. O disco é um marco e grande referência para toda uma geração. Com Mario Fabre e Fábio Zaganin, o show reconstitui as antigas canções com a verve e o vigor musical de novos tempos.

Onde: Teatro Paulo Autran – Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195 – Telefone: 3095-9400
Quando: amanhã (18), às 21 horas.
Quanto: R$ 5 a R$ 20.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Shows de Verônica Ferriani e Paula Lima, e mais clássicos na TV


Foto: Edu Kessedjian

Como eu dizia em outro post, há muitas décadas as cantoras trazem grande contribuição à Música Popular Brasileira. Quando se trata de canções com letras, são elas que trazem todo o brilho à interpretação. Lembro que aqui já dediquei espaço a muitas delas, principalmente aos muitos talentos que têm aparecido recentemente. Têm bonitas vozes, bom gosto na hora da escolha do repertório e vêm sempre acompanhadas de músicos de primeira linha. Não poucas vezes compõem e tocam, também, e se dividem entre canções de autoria própria e de compositores de altíssima qualidade.

Hoje é a vez de um dos maiores talentos da nova geração, a doce Verônica Ferriani, que se sai bem em baladas e, principalmente, em sambas. Grande pesquisadora de nossa música, tem feito séries de shows de samba de gafieira, e se apresenta com frequência e grande repercussão na Lapa carioca.

Ela faz mais um show de lançamento do CD “Sobre Palavras”, que gravou em parceria com o violonista e compositor Chico Saraiva.

Quando: hoje (quarta, 16), às 21 horas.
Onde: Sala Crisantempo – Rua Fidalga, 521 – Vila Madalena – Fone: (11) 3819-2287
Quanto: R$ 20

Acompanhe recente apresentação da dupla no Sesc Pompeia, interpretando a música “Filha de Encanto”, de Chico Saraiva e Mauro Aguiar:





Paula Lima é cantora já veterana, cheia de carisma e com um belo vozeirão! Ela apresenta seu “Samba Chic” às vésperas do Natal (quarta, dia 23, às 21 horas), no novo Teatro Bradesco – que ainda não tive o prazer de conhecer. Músicos acompanhantes: Webster Santos (guitarra); Danilo Santana (teclados e efeitos); Cuca Teixeira (bateria e efeitos); Marcelo Mariano (baixo); Will de Freitas (trombone, flauta, violão aço e cavaquinho); Guto Bocão Vai Vai (percussão); e Felipe Roseno (percussão).

Informações e ingressos aqui.



Continua no TCM (canal 91 da Net) o Festival 50 filmes que você precisa ver antes de morrer. Veja o restante da programação, de vários gêneros e época, de hoje até o Natal, sempre a partir das 22 horas (os filmes reprisam na tarde seguinte):

16 de dezembro – quarta-feira

22h – Sangue de Pantera (Cat People, 1942)
23h20 – Contatos Imediatos do Terceiro Grau (Close Encounters of the Third Kind, 1977)

17 de dezembro – quinta-feira

22h – Pink Floyd The Wall (Pink Floyd The Wall, 1982)
23h45 – O Exorcista (The Exorcist, 1973)

18 de dezembro – sexta-feira

22h – Tarzan e sua Companheira (Tarzan and His Mate, 1934)
23h40 – O Poderoso Chefão Parte II (The Godfather – Part II, 1974)

19 de dezembro – sábado

22h – Rebeldia Indomável (Cool Hand Luke, 1967)
0h – Josey Wales, o Fora da Lei (The Outlaw Josey Wales, 1976)

20 de dezembro – domingo

22h – Os Fantasmas se Divertem (Beetlejuice, 1988)
23h40 – A Testemunha (Witness, 1985)

21 de dezembro – segunda-feira

22h – Dirty Dancing - Ritmo Quente (Dirty Dancing, 1987)
23h50 – Lolita (Lolita, 1962)

22 de dezembro – terça-feira

22h – O Picolino (Top Hat, 1935)
23h45 – Um Convidado Bem Trapalhão (The Party, 1968)

23 de dezembro – quarta-feira

22h – Bravura Indômita (True Grit, 1969)
0h – A Noiva de Frankenstein (Bride of Frankestein, 1935)

24 de dezembro – quinta-feira

22h – A Canção da Vitória (Yankee Doodle Dandy, 1942)
0h – Grease - Nos Tempos da Brilhantina (Grease, 1978)

25 de dezembro – sexta-feira

22h – Simbad e a Princesa (The 7th Voyage of Sinbad, 1958)
23h35 – Os Sete Samurais (Seven Samurais, 1954)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Centenário de Elpídio dos Santos, hoje na Band



Hoje (15), às 23h15, a TV Bandeirantes exibirá o show comemorativo ao centenário de nascimento do compositor Elpídio dos Santos - celebrado pela composição “Você Vai Gostar”, mais conhecida como "Casinha Branca".

O show reuniu artistas de várias gerações, como Grupo Paranga, Gabriel Sater, Zeca Baleiro, Fafá de Belém e Mariana Belém, Renato Teixeira e filhos, Zé Geraldo e a filha Nô Stopa, Gabriel Guedes (filho de Beto Guedes), Caito Marcondes (grande percussionista), Ricardo Zohyo (supercontrabaixista), Suzana Salles (cantora), entre outros, resultou na gravação de um DVD, a ser lançado em breve.

Saiba mais sobre Elpídio dos Santos.

E, para entrar no clima, visite o site do Paranga.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

O que seria da MPB sem as cantoras?



8-12-09 - Suzana Salles, Virginia Rosa, Tetê e Ná Ozzetti

Estou atrasada em quase uma semana para falar do show de Ná, Tetê, Virginia e Suzana - musas do Lira Paulistana que participaram da homenagem que o Sesc programou e terminou dia 9. O show foi no dia 8 e, como demorei a falar a respeito, aproveito para comentar também um dos três shows de João Donato no Centro Cultural, que no sábado (12) convidou a cantora Mônica Salmaso para interpretar algumas de suas canções.

As "musas do Lira", que algumas vezes cantavam juntas na época, são amigas até hoje e, além de lembrar canções do grupo Rumo, de Arrigo e de Itamar, cantaram repertório atual sozinhas, em duplas e, ao final, todas juntas, alegrando o enorme público, que abrangia várias gerações.


                                          12-12-09 - Mônica Salmaso é convidada de João Donato

Sempre que posso, acompanho os shows de João Donato em São Paulo. É música da melhor qualidade, com acompanhamento de músicos de primeira linha - claro, ele mesmo um pianista e compositor de muito talento - e, algumas vezes, com a presença de cantoras. Claro, muitas de suas músicas parece que foram feitas para vozes femininas.

Sábado, quem ficou contente em cantar pela primeira vez suas músicas foi Mônica Salmaso - de quem também gosto muito. O clima foi ótimo, e o público - de todas as idades - aplaudiu e cantou junto. O show era gratuito, e foi uma oportunidade para muita gente que não pode frequentar shows por causa dos altos preços de ingressos.


Aqui, amigos músicos e fãs de Donato, dá até pra ver o repertório...

domingo, 13 de dezembro de 2009

Hoje tem a última apresentação de Genialf


Na sexta-feira, postei sobre o show em homenagem a Johnny Alf e esqueci de pôr a imagem do show.
Hoje tem a última apresentação - infelizmente não poderei ir, verei outra atração.

À noite, postarei sobre as maravilhosas cantoras brasileiras que vi nos últimos dias.

Em Genialf, Filó Machado e Cibele Codonho – fazem hoje a terceira e última apresentação da homenagem às canções do grande compositor e pianista Johnny Alf, na Caixa Cultural Sé. Presença especial de Zuza Homem de Melo e Luis Carlos Miéle, que narram “causos” entre uma música e outra.


Onde: Praça da Sé, 111
Quando: hoje (13), às 19 horas

Entrada franca.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

GENIALF, Cauby canta Roberto, Fafá canta Chico...



Sem trocadilho, genial – ideia e nome – o show em homenagem aos 80 anos do gênio Johnny Alf, Genialf. Os dois músicos participantes – Filó Machado e Cibele Codonho – prometem “causos” e canções sobre e do grande compositor e pianista, em três shows gratuitos na Caixa Cultural Sé. Presença especial dos mestres de cerimônia Zuza Homem de Melo e Luis Carlos Miéle – são eles que narram os “causos” entre uma música e outra.

Corrente de apoio - Aliás, desde anteontem circula na internet a notícia – verdadeiríssima – de que Johnny Alf está internado num hospital em Santo André para tratamento e precisa de doadores de sangue. Trata-se de uma campanha organizada e disseminada por seus amigos, sejam artistas ou fãs. Há informações a respeito em vários blogs, sites e redes de relacionamento. Sugiro consultar o blog Outras Bossas, da cantora e compositora Joyce.

Onde: Praça da Sé, 111.
Quando: sexta (11), sábado (12) e domingo (13), às 19 horas
Entrada franca.



E por falar em grandes, por essas e outras sempre compro ingressos para shows do Sesc com BASTANTE antecedência. E como é difícil consultar a programação só pelo Portal (vai meio no instinto e na sorte, porque tem de ser por unidade e modalidade) e peguei muito tarde a revista, só esta semana soube que haveria shows do Cauby e da Fafá de Belém! Ambos programados para o Sesc Vila Mariana, estão esgotados para seus quatro dias (Cauby 10 e 18/12, Fafá 19 e 20/12).

Sou tão fã da Fafá – desde minha adolescência e época de faculdade, tirando fases dela de fados e sertanejos – que dei o nome dela a uma gatinha da minha mãe. E, ainda por cima, ela vai homenagear um compositor que adoro também: Chico Buarque.

Cauby é um cara que admiro, como artista e pessoa. Entrevistei-o há anos mais de uma vez – uma simpatia –, vi alguns de seus shows e veria novamente. Ele nunca ficou parado no tempo e traz sempre novidades, embora os fãs não deixem faltar Conceição em seu repertório – e ele a cante com prazer. Neste, ele canta músicas de seu novo CD, todas de Roberto Carlos. Claro que Cauby, até hoje, com 60 e tantos anos de carreira, 1.001 plásticas e dificuldades de locomoção – embora a voz continua firme e forte – ainda não chegou aos 80 (rs...), mas isso são outros quinhentos...

Pra quem conseguiu ingressos, desejo ÓTIMOS SHOWS!

Na MÚSICA CLÁSSICA, a dica é para domingo, em concertos ao ar livre no Parque Villa-Lobos. Apresentações do Coro da Osesp, sob regência de Naomi Mukata, com Dana Radu ao piano; e da Orquestra Sinfônica do Estado (Osesp), sob regência de Yan Pascal Tortelier, com Arnaldo Cohen ao piano.

Quando: domingo (13), a partir das 10 horas.
Onde: Parque Villa-Lobos - Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 1.655 (Alto de Pinheiros)
ENTRADA FRANCA
Mais informações aqui.




Nota para o Dia do Palhaço, comemorado ontem, e cujas atrações promovidas por diversas entidades prosseguem até domingo. Confira aqui.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Um refresco pra cabeça



Hoje, enfim, vou dar um refresco pra cabeça e estou saindo pro cinema – depois eu conto. Nem por isso vou deixar de dar uma dica pra lá de sensacional, já que se trata de uma série de shows gratuitos com o pianista e compositor João Donato, que começa hoje e termina sábado. Donato continua celebrando seus 60 anos de carreira em ótima forma, e traz o show A música de João Donato, lançando o CD João Donato Trio – Sambolero, pelo selo Acre/Dubas/Universal).

A cada dia, ele estará muito bem acompanhado, confira:

Hoje (10) – João Donato convida Filó Machado, cantor e multi-instrumentista de primeiríssima qualidade

Amanhã (11) – João Donato convida o grande trombonista Raul de Souza


Foto: Divulgação do site do CCSP

Sábado (12) – João Donato convida a cantora Mônica Salmaso, consagrada por sua bela voz e interpretações sofisticadas, em repertório bastante eclético e de bom gosto. Muitas músicas de Donato pedem uma voz feminina, e ela certamente fará jus.

Onde: Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1.000
Quando: sempre às 21h30
Quanto: Entrada franca (retirada de ingressos das 14 às 21 horas, até o dia do show, se ainda restarem ingressos) – Fique atento, deve estar concorridíssimo!

Para mais informações, clique aqui.

Chamo a atenção para dois espetáculos do Auditório Ibirapuera:

Na sexta (11), às 21 horas, é a vez da Orquestra Brasileira do Auditório, composta pelos alunos da Escola do Auditório, apresentando o espetáculo de fim de ano, Pororoca, com convidados especiais: Quinteto em Preto e Branco, Bateria TIM Música Rio de Janeiro e Escola de Samba Tom Maior. A regência será dos feras José Roberto Branco, Nailor Proveta e Vanderlei Banci.

Quanto: Ingressos gratuitos - acabo de saber que os ingressos estão ESGOTADOS!

Domingo (13), às 17 horas, o Projeto Guri convida Antonio Pinto, Anelis Assumpção, Maurício Pereira, Beto Villares, Andréia Dias, Fernanda Takai, Iara Rennó e Rappin’Hood para o lançamento do CD homônimo, gravado em 2008. A apresentação dá início às comemorações do 15º aniversário do Projeto.

Teremos ainda este ano: Paulo Bellinatti e Weber Lopes, Hamilton de Holanda e Joel Nascimento, e a Jazz Sinfônica, numa homenagem ao maestro Cyro Pereira.

Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia)

Veja no site do Auditório as próximas atrações, todas instrumentais: Paulo Bellinati e Weber Lopes; Hamilton de Holanda e Joel Nascimento; e Jazz Sinfônica.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A vida no cinema...



Como disse aqui num outro dia, trabalhar em casa tem suas vantagens, até a desobrigação de sair – ainda mais num dia caótico como o de hoje, com tanto trânsito e alagamentos. Ainda assim, precisei dar uma corrida à padaria e ao supermercado, porque a despensa estava vazia! A chuva tinha dado um tempo, entrei na padaria e sentei no salão, aproveitando para ler um guia cultural. Ao lado, um “casal” de velhinhos, na verdade, um senhor e sua mãe, que ele disse ao garçom ter 90 anos e – juro – não parecia! Ele dizia ao garçom: “Mãe só tem uma, cuide dela”, e prosseguiram a refeição no mais comum “diálogo” entre pessoas que se conhecem há muito e convivem tempo demais: o silêncio. Possível tema para um filme, já que o que o cinema mais explora – geralmente com sucesso – são as relações humanas.

Mais do que isso, o cinema de todos os tempos retrata drama, aventura, suspense, comédias... E continua a diversificada seleção de clássicos preparada pelo Canal TCM (Canal 91 da Net), com os 50 Filmes que você Deveria Assistir Antes de Morrer, em sessões duplas diárias, a partir das 22 horas, até o dia 25. Os dois que aguardo mais ansiosamente são: Os 39 Degraus, de Hitchcock (amanhã, 9); e Farrapo Humano, com Ray Milland (domingo, 13), belo drama que não tem passado na TV. Confira as atrações desta semana:

Terça-feira – 8

22h – Gilda (Gilda, 1946)
23h50 – Depois do Vendaval (The Quiet Man, 1952)

Quarta-feira – 9

22h – Os 39 Degraus (The 39 Steps, 1959)
23h35 – Touro Indomável (Raging Bull, 1980)

Quinta-feira – 10

22h – A Volta ao Mundo em 80 Dias (Around the World in 80 Days, 1956)
1h10 – Monstros (Freaks, 1932)

Sexta-feira – 11

22h – Os Goonies (The Goonies, 1985)
1h – O Tesouro de Sierra Madre (The Treasure of Sierra Madre, 1948)

Sábado – 12

22h – O Exterminador do Futuro (The Terminator, 1984)
23h55 – Meu Ódio Será Sua Herança (The Wild Bunch, 1969)

Domingo – 13

22h – O Galante Mr. Deeds (Mr. Deeds Goes to Town, 1936)
0h05 – Farrapo Humano (The Lost Weekend, 1945)

sábado, 5 de dezembro de 2009

Vanguarda Paulistana, Rave Cultural e muito mais!



SEM PENSAR, NEM PENSAR

Este é o nome do CD de Sérgio Molina e Miriam Maria, premiado pela Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo, que tem novo show de lançamento em São Paulo, desta vez na Casa de Francisca – um lugar que estou para conhecer e que deve ser bárbaro!

“Sem pensar, nem pensar” é uma das 11 letras que Itamar Assumpção escreveu pouco antes de morrer, em 2003, especialmente para o compositor Sérgio Molina musicar e chegar ao público na voz de Miriam Maria. O show mostra fragmentos de textos de Itamar, reelaborados em forma de poesia visual projetada, para uma apreensão mais lúdica dos versos.

Acompanham Sérgio Molina (composição, violão e vocais) e Miriam Maria (voz), os músicos Clara Bastos (contrabaixo acústico, elétrico e vocais), Mariô Rebouças (piano) e Priscila Brigante (bateria, tabla e percussão). Luciano Pessoa criou e opera o vídeocenário.

Quando: hoje, sábado (5), das 21h30 às 23 horas.
Onde: Casa de Francisca – Rua José Maria Lisboa, 190 – Jardins
Quanto: R$ 26

Para mais informações, clique aqui.





RAVE CULTURAL 2009

Estão na moda os eventos que atravessam a noite, e o deste fim de semana é a Rave Cultural da Casa das Rosas, que começa hoje, no Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura. A festa comemora o quinto aniversário da reabertura da Casa das Rosas como espaço de poesia. Entre as atrações, Demônios da Garoa, Ulisses Rocha e Maria Alcina. (programação detalhada no flyer acima)

Quando: a partir do meio-dia de hoje, até as 5 da manhã deste domingo.
Onde: Casa das Rosas - Avenida Paulista, 37 - perto da Estação Brigadeiro do Metrô
VANGUARDA PAULISTANA DOS ANOS 80

Quem for muito animado pode esticar para a Faria Lima, onde se localiza o Museu da Casa Brasileira. Lá, o CoralUSP XI de Agosto apresentará um panorama da vanguarda paulistana dos anos 80, movimento criativo da música popular brasileira que aproximou erudito e popular, aliado a um humor sarcástico e à abertura política, momento que só quem viveu conhece a importância.

Com regência de Eduardo Fernandes e preparação vocal de Antonieta Bastos, o espetáculo tem como fio condutor os discos gravados por Arrigo Barnabé, Hermelino Neder, Itamar Assumpção, Vânia Bastos, Tetê Espíndola, Ná Ozzeti, Eliete Negreiros, Susana Salles, Grupo Rumo, Premê e Língua de Trapo.

Veja as pérolas do repertório:

Cunhataiporã (Geraldo Espíndola, arr. Samuel Kerr)
Cuiabá (Tetê Espíndola/Carlos Rennó, arr. Vilson Gavaldão de Oliveira)
Beijo na boca (Itamar Assumpção, arr. Cá, adapt. Edu Fernandes)
Concheta (Laert Sarrumor, “Língua de Trapo”, arr. Regina Prata)
Uga Uga (Arrigo Barnabé, arr. André Protásio)
Lua de Mel em Cubatão (Premê, arr André Protásio)
Xingu Disco (Carlos Melo e Laert Sarrumor, “Língua de Trapo”, arr. Daniel Reginato)
Sertão (Tetê Espíndola/Arrigo Barnabé, arr. Gilberto Perissinotto)
Fim de Semana (Wandi Doradiotto/Premê, arr. Gilberto Perissinotto)
3 do Itamar – Fico Louco / Luzia / Nego Dito (Itamar Assumpção – Arr. André Protásio)
Acalanto (Língua de Trapo, arr. Gilberto Perissinotto)
Sonora Garoa (Passoca, arr. Roberto Rodrigues)
São Paulo, São Paulo (Premê, arr. Alexandre Zilahi)

Quando: domingo (6), às 11 horas
Onde: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.705
Entrada franca, por ordem de chegada

Outras informações aqui.

MAIS VANGUARDA, NA PRAÇA BENEDITO CALIXTO

Bem pertinho do Museu, na Praça Benedito Calixto – onde ficava o Lira Paulistana – prosseguem as homenagens aos 30 anos do espaço e da vanguarda paulistana. A partir das 13 horas, apresentam-se Arrigo Barnabé, Banda Isca, Língua de Trapo, Premê, Passoca e Anelis Assumpção (filha de Itamar), entre outras bandas e artistas.

Quando: domingo (6), a partir das 13 horas.
Quanto: ENTRADA FRANCA!
Mais informações e vídeos no Blog do Língua – cujo show está programado parra as 14h30.



ANDRÉ MEHMARI – MÚSICA NOVA, MÚSICA ANTIGA

O excelente pianista, compositor e arranjador André Mehmari apresenta repertório incomum, intrigante e original, explorando as ligações entre a música barroca e a canção brasileira do século 20. Um madrigal de Monteverdi funciona como introdução para um samba de Nelson Cavaquinho. O folclore mineiro em Cálix Bento, tocado ao cravo e violoncelo, ganha novas luzes e sombras. O último lamento de Dido, da ópera Dido e Eneas, de Purcell, dialoga com o Último Desejo, de Noel Rosa. Esses são apenas alguns dos inusitados encontros que ele promove. Acompanham André Mehmari (piano, cravo, direção musical) os músicos Dimos Goudaroulis (violoncelo barroco e piccolo), Neymar Dias (contrabaixo acústico e viola caipira) e Tiago Pinheiro (canto).

Onde: Teatro Paulo Autran, do Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195 – (11) 3095-9400
Quando: Terça (8), às 21 horas
Quanto: de R$ 3,50 a R$ 15

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Boas mostras pela cidade


Foto: Portal Terra
Vida e obra de Darwin

O Museu de Zoologia da USP lançou a exposição Charles Darwin: evolução para todos, em comemoração ao bicentenário do nascimento do naturalista britânico e aos 150 anos da publicação de seu livro A Origem das Espécies. Quem entra é recebido por esqueletos de grandes primatas: orangotango, chimpanzé, gorila e pelo próprio homem. Além de árvores evolutivas ilustradas com réplicas e bichos coletados, há vídeos de pesquisadores que revelam as pegadas da evolução na biodiversidade atual. Uma seção inteira descreve a vida do cientista, na Inglaterra ou a bordo do HMS Beagle. Uma pergunta soa como provocação: “Quem somos nós?” A exposição agrada adultos e crianças.

Onde: Museu de Zoologia – Avenida Nazaré, 481 – (11) 2065-8100
Quando: das 10 às 17 horas (fecha 2.ª) – Até 28 de fevereiro
Quanto: R$ 4.

Fonte: Estadão

Augustas, no Cinesesc

Augustas, de autoria do fotógrafo Eder Chiodetto, mostra uma incursão do autor pela rua Augusta, “hoje o território mais democrático, diverso e divertido da cidade”, segundo ele mesmo. Por meio de grandes panorâmicas obtidas pelo uso da câmera fotográfica analógica utilizada como uma moviola improvisada, Eder Chiodetto obtém imagens com efeito vertiginoso, metáfora das mudanças da rua Augusta, que foi a mais chique da cidade nos anos 60 e 70, passou por grande decadência com o surgimento dos shoppings e, recentemente, voltou a se revigorar pelo aspecto cultural, reunindo cinemas de arte, bons restaurantes, novos estilistas e uma variedade de casas noturnas, sons e bares. Com a técnica da moviola, as imagens ficam no limite entre fotografia (estática) e cinema (movimento). “Augustas” é fotografia que aspira a ser cinema, e por isso a exposição estreia em um dos espaços mais tradicionais de cinema da cidade: o Cinesesc. Não por acaso, localizado em plena Augusta!

Onde: Cinesesc – Rua Augusta, 2.075
Quando: de 4 a 30/12 – sexta a quinta, das 14 às 21 horas.
ENTRADA FRANCA


Foto: blog Escrita Infame

De dentro para fora, de fora para dentro

Grafites, fotografias e instalações com vídeo. O Museu de Arte de São Paulo (Masp) recebe pela primeira vez a arte das ruas, que invadiu as conhecidas galerias brancas com grafites para romper os preconceitos em torno de uma expressão “marginal e sempre mal vista”, segundo os próprios artistas. Na exposição De dentro para fora, de fora para dentro, seis brasileiros saíram das ruas para mostrar seu trabalho em um dos museus mais reconhecidos da América Latina, que em 63 anos de existência jamais recebeu esse tipo de expressão. A ideia do projeto, que tem como curador Baixo Ribeiro, foi integrar em uma mesma sala seis estéticas diferentes de arte das ruas para ocupar esse espaço em branco, para romper os preconceitos de uma arte marginal e que sempre foi malvista. Zezão, Titi Freak, Ramón Martins, Daniel Melim, Carlos Dias e Stephan Doitshinoff – reconhecidos no exterior – são os seis artistas cujas obras estão expostas.

Onde: Masp – Museu de Arte de São Paulo – Avenida Paulista, 1.578 – Fone: (11) 3251 5644
Quando: das 11 às 18 horas (fecha segunda) – Até 5 de fevereiro.
Quanto: R$ 15 e R$ 7 (meia-entrada) – GRATUITO às terças-feiras



E já que estamos falando de grafites, relembro sobre a exposição Vertigem, dos artistas conhecidos como osgemeos, pioneiros no cenário nacional do grafite. A mostra retrata o cotidiano em imagens surrealistas de sonho, por meio de cores alegres e personagens melancólicos. Além dos trabalhos expostos anteriormente em Curitiba e no Rio de Janeiro, Vertigem traz uma série de novas obras especialmente concebidas para o espaço do MAB.

Onde: Museu de Arte Brasileira da Faap – Rua Alagoas, 903 – Higienópolis – (11) 3662-7198
Quando: de terça a sexta, das 10 às 20 horas; sábados, domingos e feriados, das 10 às 17 horas – Até o dia 13.
ENTRADA FRANCA

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Shows Ibirapuera e Funarte

O Auditório Ibirapuera – como sempre – está com uma programação de tirar o chapéu. E tem atração gratuita, também. Confira:

SARAU DE CHORO – Dizem que não se compreende o Choro sem o quintal, porque fazer Choro é um estado de espírito. O “Sarau de Choro” é uma transferência do quintal para o palco do Auditório Ibirapuera, trazendo o sentimento descontraído dos amigos. Luizinho 7 Cordas é um mestre do acompanhamento: reúne com sutileza incomum o tradicional e o moderno. Ele recebe seus amigos pela primeira vez em São Paulo, em uma inédita edição do “Sarau”. Com Danilo Brito, Vitor Lopes, Bombarda, João Poleto, Ricardo Valverde, Marquinhos Mendonça, Agnaldo, Xó, Zé Roberto.

Quando: sexta (4), às 21 horas
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

Confira vídeo de amigos reunidos na casa de Luizinho 7 Cordas (e não é no quintal) - interpretando Mente, de Eduardo Gudin e Paulo Vanzolini (que foi interpretada lindamente por Clara Nunes):





BALANGANDÃS – Espetáculo com a cantora Ná Ozzetti e os músicos Dante Ozzetti, Mário Manga, Sérgio Reze e Zé Alexandre Carvalho. Vencedor do Prêmio Bravo!Prime 2009 como Melhor CD de Música Popular, Balangandãs traz concepção contemporânea e exprime de forma original o cenário musical das décadas de 30 a 50, em canções eternizadas por Carmen Miranda.

Quando: sábado (5), às 21 horas
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

TÔ NO CLIMA PARA SALVAR O PLANETA – Para fechar a semana, esse concerto especial acontece na véspera do encontro CoP-15 (15º Conferência das Partes da Convenção, da ONU). A ideia é mobilizar a sociedade brasileira a pressionar líderes nacionais e globais para que não seja adiado o compromisso de firmar novo acordo climático global em Copenhague. No espetáculo, Zélia Duncan, Mariana Aydar, Simoninha e Gabriel O Pensador.

Quando: domingo (6), a partir das 10 horas
Onde: plateia externa do Auditório, que fica no Parque do Ibirapuera
Quanto: DE GRAÇA!

Confira aqui a programação completa.

LIRA DOS 30 ANOS – Além do projeto que rola no Sesc Consolação (confira a programação aqui) em homenagem ao Lira Paulistana, a Funarte programou a reedição do BOCA NO TROMBONE, que acontecia no Lira, revelando novos trabalhos. A programação começa nesta quinta (3) e vai até o dia 13 de dezembro. A cada noite, um artista da chamada “Vanguarda Paulista” dividirá o palco com uma atração mais recente, convidada por ele.

Nesta semana:

Quinta (3), às 19 horas – O Surto, Futuro Antigo e Smack
Sexta (4), às 19 horas – Cataia, Déo Lopes e Paranga
Sábado (5), às 19 horas – Cumieira e Arrigo Barnabé
Domingo (6), às 20 horas – Anelis Assumpção e Banda Isca

Onde: Sala Guiomar Novaes da Funarte – Alameda Nothmann, 1.058 – Campos Elíseos
Quanto: ENTRADA FRANCA (Retirar ingresso uma hora antes do espetáculo)

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

50 FILMES PARA VER ANTES DE MORRER



Povo adora fazer lista de filmes, livros, lugares – que você deveria ver antes de morrer. Dia desses, ganhei de um amigo o livro “1.001 Filmes para ver Antes de Morrer”, publicado pela Editora Sextante. Em  leituras parciais concluí que devo ter visto uns 300 deles. E que não concordo com muitas das inclusões e das exclusões deles. Claro, gosto se discute, e a unanimidade é burra, não dizem? Mas isso fica para um outro post, que estou preparando.

Falei no assunto para abrir a seleção de clássicos preparada pelo Canal TCM (Canal 91 da Net). O TCM é um dos poucos canais que têm programação praticamente só de clássicos. Mais do que o Telecine Cult, que antigamente era Classic, e que mudou sua programação. Infelizmente, exibe muitos filmes dublados, mas enfim, está com uma boa seleção para a 3ª edição do especial 50 Filmes que você Deveria Assistir Antes de Morrer, que vai durar quase o mês todo de dezembro.

A divulgação do canal anuncia que, este ano, pela primeira vez, as obras-primas de Hollywood estarão lado a lado com produções consagradas do cinema mundial. A promessa é que o neorrealismo italiano, uma ópera rock britânica e até os samurais do mestre Akira Kurosawa se entendam muito bem com astros como Bogart, Capra, Eastwood e companhia.

Cinéfilos poderão testemunhar, por exemplo, Robert Donat escapando a todo vapor na primeira grande obra de Alfred Hitchcock, Os 39 Degraus (que nunca vi); pai e filho na Roma pós-guerra em uma busca impossível no emotivo Ladrões de Bicicleta, de Vittorio de Sica (vou rever); e o corrompido Ray Milland, em seu devastador e extremo retrato de um alcoólatra em Farrapo Humano (belíssimo e triste filme, que pretendo rever).

Serão sessões duplas diárias, a partir das 22 horas. Alguns passam sempre no próprio TCM, outros não tenho visto em nenhuma emissora, e muitas vezes não tem em DVD. E mais: confesso que a maioria dos filmes eu não conheço ou não vi, e que acho algumas escolhas de gosto duvidoso, como Corra que a Polícia vem Aí. Confira as atrações desta primeira semana:

Confira abaixo a programação para a primeira semana:

1º de dezembro – terça-feira

22h – A Cor Púrpura (The Color Purple, 1985)
0h – Uma Rua Chamada Pecado (A Streetcar Named Desire, 1951)

2 de dezembro – quarta-feira

22h – Hamlet (Hamlet, 1948)
0h – Drácula (Dracula, 1931)

3 de dezembro – quinta-feira

22h – Uma Aventura na Martinica (To Have and Have Not, 1944)
23h45 – Loucuras de Verão (American Graffiti, 1973)

4 de dezembro – sexta-feira

22h – Mad Max (Mad Max, 1979)

23h40 – Inferno Nº 17 (Stalag 17, 1953)

5 de dezembro – sábado

22h – Nascido para Matar (Full Metal Jacket, 1987)
0h05 – Gunga Din (Gunga Din, 1939)

6 de dezembro – domingo

22h – Corra Que a Polícia Vem Aí! (Naked Gun: From The Files of Police Squad, 1988)
23h30 – Alcatraz : Fuga Impossível (Escape from Alcatraz, 1979)

7 de dezembro – segunda-feira

22h – Os Sapatinhos Vermelhos (The Red Shoes, 1948)
0h – Círculo do Medo (Cape Fear, 1962)

Quando: 1º a  25 de dezembro, sempre a partir das 22 horas

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Para quem gosta de shows tarde da noite

Heitor Branquinho toca hoje, à meia-noite, “muito bem acompanhado”, como diz, pelo irmão Hugo Branquinho (voz), Ismael Tiso Jr. (voz e guitarra) e Clayton Prósperi (piano e voz).

“Vamos tentar transformar a esquina de SP em um esquina mineira”, afirma o cantor e compositor mineiro.

E o melhor: no repertório, só pérolas do Clube da Esquina!

Onde: Bar Brahma – Avenida São João com Ipiranga.
Quando: hoje, à meia-noite.

E no domingo (29), o quarteto tocará no Parque do Cordeiro (zona sul de São Paulo), às 15 horas, com transmissão ao vivo pela 100 Jabá Web Rádio.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Quadrinhos, dança, shows, mais 35 horas de atividades na Livraria Cultura



QUADRINHOS NO METRÔ REPÚBLICA

O desenhista Laudo Ferreira Júnior produziu um novo trabalho para a Editora Europa, dentro da série “História do Brasil em Quadrinhos”, que contou com roteiro e pesquisa do Edson Rossatto e cores do ‘parceirinho’ 100% Omar. O tema dessa edição é a Proclamação da República. Esse material estará nas bancas até início de dezembro. E vem a calhar o local da prévia, o Metrô República. Mais detalhes aqui.

Quando: até 30 de novembro
Onde: Metrô República



GLÁUCIA NASSER EM DOIS SHOWS GRATUITOS

A cantora e compositora mineira Gláucia Nasser faz duas apresentações em São Paulo, neste fim de semana. Acompanhada por um time de novos músicos, apresenta o repertório de trabalhos próprios e de outros compositores.

Quando: sexta (27), às 20 horas.
Onde: Área de Convivência do Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822 – (11) 3340-2000

Quando: domingo (29), às 17 horas
Onde: Atelier Hugo França – Rua Gomes de Carvalho, 585 – Vila Olímpia
Informações: (11) 9639-4161, com Carla

ENTRADA FRANCA

AS CANÇÕES DE DOLORES DURAN

Alaíde Costa, Claudette Soares e Claudia Telles – três grandes intérpretes da música popular brasileira – homenageiam Dolores Duran, cantora e compositora, nos 50 anos de sua morte. O show As Canções de Dolores Duran estreia na Caixa Cultural Sé, neste sábado. No repertório, O Negócio é amar, Ternura antiga e Fim de caso, em solos e duetos magistrais. Ao final, todas cantam A Noite do meu bem e Estrada do sol. Músicos acompanhantes: Marcello Lessa (violonista) e José Estebez (tecladista).

Quando: sábado (28) e domingo (29), às 19 horas.
Onde: Caixa Cultural São Paulo – Praça da Sé, 111 – Centro – (11) 3321-4400
ENTRADA FRANCA



35 HORAS DE CULTURA SEM PARAR

Na Livraria Cultura, 35 horas de debates, exposições, lançamentos de livros, palestras, filmes, shows... Veja mais aqui.

Onde: Livraria Cultura do Conjunto Nacional
Quando: Sábado (28) e domingo (29).


Foto: Marcia Alves

ÚNICA APRESENTAÇÃO DE VILLA LUZ, NO MUSEU AFRO-BRASIL

O espetáculo de dança Villa Luz, dirigido pela bailarina e coreógrafa Susana Yamauchi, faz única apresentação, aberta ao público, contando com espectadores especiais – 60 jovens que participam do Projeto Corpo Digital, que visa à inclusão a partir do contato com novas mídias digitais e com a arte. A proposta é levar à cena a miscigenação da cultura brasileira, tendo como base a busca do compositor Villa-Lobos pelas origens da cultura brasileira. O elenco de Villa Luz é composto por 40 jovens, moradores de diversas regiões de alta vulnerabilidade juvenil na capital paulista.

Quando: sábado (28), às 15h30
Local: Auditório Ruth de Souza do Museu Afro Brasil – Portão 10 do Parque do Ibirapuera
ENTRADA FRANCA

terça-feira, 24 de novembro de 2009

O Solista e A Gafieira


Ontem, enfim, quebrei um longo jejum de cinema. Sempre que posso, vejo filmes pelo menos em casa, mas ao cinema fazia “décadas” que não ia – justo eu, que há anos vejo pelo menos dois filmes por semana nas telonas. E valeu a pena, pelos dois – raramente vou ver apenas um.

Primeiro, O Solista, do qual pouco ouço falar. Dirigido pelo inglês Joe Wright - de Desejo e Reparação e Orgulho e  Preconceito - merece mais, porque é o que chamo de pequeno grande filme, baseado em livro do jornalista Steve Lopez.

Steve (Robert Downey Jr., de quem sou grande fã) precisa de um bom tema para sua coluna no Los Angeles Times. À procura de personagens, encontra um músico de rua, Nataniel Ayers (Jamie Foxx, que fez Ray e outros bons papéis). Aos pés da estátua de Beethoven, pichada com o nome de Stevie Wonder, ele toca um violino de duas cordas. Quando Steve puxa assunto, Nataniel desanda a falar, e uma das poucas palavras que o jornalista consegue identificar é “Juilliard”. De volta à redação, descobre que ele se tornara esquizofrênico no meio dos estudos na famosa escola de música de NY, indo parar nas ruas do outro lado do país. Só volta a encontrá-lo num dos túneis da cidade, que atrai o músico provavelmente por seu barulho encobrir as vozes que o atormentam.

Achei um filme sensível, com doses de humor, que questiona o sistema de albergues públicos e os tratamentos convencionais de problemas mentais. Resta aguardar a volta de Downey Jr. – ele mesmo vítima de problemas com drogas e álcool e por vezes ausente das telas – em janeiro, no papel de Sherlock Holmes, outro personagem atormentado, que terá a companhia de Jude Law como Watson. Que dupla!

Minutos depois, vi Bastardos Inglórios, que haviam me elogiado muito. Realmente, um ótimo filme de Tarantino – nunca quis ver a série Kill Bill, porque odeio filmes de artes marciais – com relativamente pouca violência e que conta uma história com começo, meio e fim, em capítulos. Ele revive a época do nazismo na Europa, retratando uma suposta brigada antinazista norte-americana liderada pelo “caipira” Brad Pitt, que trama a morte de toda a cúpula da SS, incluindo Hitler. Embora longo, é um filme que não cansa e tem final bem imprevisível...



Gafieira São Paulo no Sesi


A Gafieira São Paulo, grupo liderado pela cantora Verônica Ferriani, com direção musical de Cahê Rolfsen e Conrado Goys, e direção artística de Pedro Altman, tem apresentação única no Teatro Popular do Sesi, com repertório essencialmente brasileiro, que revive a atmosfera das antigas gafieiras dos anos 60.

Quando: quarta-feira (25), às 20 horas.
Onde: Sesi – Avenida Paulista, 1.313
Quanto: R$ 5 a R$ 10 (apenas dois ingressos por pessoa)

Informações: Ticketmaster (11) 2846-6000.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Grandiosos, badalados e quetais...


Foto: Agência Reuters

Sting é destaque em festival na Chácara Jockey

Não sou de indicar grandes eventos, principalmente se forem muito badalados ou caros, porque eu mesma fujo deles. Mas como se trata de Sting – de quem sou fã desde o Police – não posso deixar de citar.

Ele é uma das atrações do festival Natura Nós About Us, que começa neste sábado e propõe o debate da relação entre o homem e a natureza. Ecologista de primeira leva, ele não poderia deixar de abraçar a causa – mesmo porque deve ter ganhado um belo cachê também...

O cantor e compositor e baixista inglês toca no segundo dia (domingo), que ainda contará com Jason Mraz, Lenine, Arnaldo Antunes, AfroReggae e Carlinhos Brown. “Vou tocar com minha banda músicas do Police e da carreira solo. Roxanne e Message in a Bottle estarão entre elas, certamente”, conta.

No repertório, nada de seu recém-lançado disco: “Não combina com um show aberto, para muitas pessoas. É um disco sobre o inverno, silencioso, e vocês estão no verão”, justifica. Portanto, deve agradar mesmo a quem o acompanha desde os anos 80.

Fã de Caetano, Gil e Villa-Lobos, Sting afirma que o Brasil é um País empolgante: “Filosofia, religião, problemas sociais, educação, meio ambiente, são muitas coisas diferentes acontecendo ao mesmo tempo. Acho que a arte e a música brasileira refletem tudo isso”, declarou, por telefone.

Veja aqui a programação completa do festival.

Quanto: de R$ 120 a R$ 500.
Quando: domingo (22), às 20h30. Outras atrações a partir das 15 horas
Onde: Chácara do Jockey – Avenida Pirajuçara, s/nº (altura do 5.100 da Av. Francisco Morato). Telefone: 4003-1527.

Fonte: Estadão / JT

PIANO NA PRAÇA

O pianista Dom Salvador, que vive em Nova York, e Lobato Acarahyba, ambos marcados pela influência de ritmos afro-brasileiros, estrelam esta edição especial do projeto Piano na Praça, voltada ao Dia da Consciência Negra.

Onde: Praça Dom José Gaspar, centro da cidade.
Quando: sábado (21), às 15 horas.
DE GRAÇA!
 


SÃO ISMAEL DO SAMBA


O Dia da Consciência Negra continua sendo comemorado no fim de semana.

Ismael Silva (1905-1978), um dos maiores sambistas dos anos 1930 e 40, é homenageado neste fim de semana no Sesc. Figura marcante no cenário da boêmia e na fundação da Estácio de Sá, Ismael é autor de grandes sambas, como Se você jurar, Antonico, Contrastes, Nem é bom falar, entre outros.

Participam do show: Jards Macalé, que gravou Contrastes em 1977; Cristina Buarque, pesquisadora do samba que conviveu com Ismael e Barão do Pandeiro, que recebeu muitas de suas composições, além de Ná Ozzetti, que interpreta releituras de clássicos do autor.

Onde: Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195 – (11) 3095-9400
Quando: Sábado (21), às 21 horas; domingo (22), às 18 horas.
Quanto: R$ 5 a R$ 20

Para o feriadão, shows, mostras, teatro, livro e filmes...



Dia da Consciência Negra no Museu Afro-Brasil

Esta sexta, 20 de novembro – Dia da Consciência Negra – tem programação especial comemorativa no Museu Afro-Brasil. Começa com shows, tem lançamentos de livros e exposições. Confira aqui a programação completa.

Quando: hoje (20), a partir das 17 horas (chegue antes, para ver as belas exposições permanentes)
Onde: Museu Afro-Brasil – Organização Social de Cultura – Avenida Pedro Álvares Cabral – Parque Ibirapuera
ENTRADA FRANCA

Mostra Teatro Brasil

Começou ontem e prossegue até o dia 25 a Mostra Cine Teatro Brasil. Veja a programação aqui.

Onde: Funarte – Alameda Nothmann, 1.058 – próximo à Estação Marechal do Metrô
Quanto: GRÁTIS!



Filmes inéditos e debate, na Semana do Filme Nacional da Cultural

Confira aqui a programação completa.



Onde: Reserva Cultural – Avenida Paulista, 900 – térreo baixo
Quanto: R$ 3 a R$ 6
Quando: de 20 a 28 de novembro

Aproveito para indicar livro sobre Caymmi

Em Caymmi sem Folclore, o autor André Domingues revela um Dorival Caymmi – compositor de 109 canções – que vai além das fronteiras da praia, da capoeira, do candomblé e do samba de roda. Quebrando esses mitos folclorizantes, emerge um personagem interessante, moderno, envolvido com o mundo do rádio, da imprensa, da intelectualidade, enfim, com a cultura urbana do seu tempo.

Para Domingues, “Caymmi recriou a Bahia com uma linguagem do rádio e do cinema”. O jovem pesquisador musical apresenta uma leitura que desvenda “um projeto coerente de cultura nacional em Caymmi”. Para ele, a ‘arte caymmiana’ não está no universo do folclore, dos pescadores e do candomblé, mas no mundo do rádio, do disco e do cinema.

Domingues acredita que “a Bahia de Caymmi é carioca, reflete o imaginário nacional” da primeira metade do século 20. No livro, que analisa o período de 1938 a 1959, o autor mostra as ligações feitas por um pensamento nacionalista entre a arte de compositores populares e uma identidade brasileira baseada em elementos folclóricos. Caymmi Sem Folclore, de André Domingues, tem 152 páginas e foi editado pela Barcarolla. Custa aproximadamente R$ 20.

Filmes para hoje:

Acabo de ver um filme que tinha gravado há tempos do Telecine Cult – Mandela – documentário sobre a vida do líder sul-africano produzido em 1996. Há mais tempo, vi outro mais novo, Mandela: Luta Pela Liberdade (2007), que narra, sob o ponto de vista de um agente penitenciário, a história de Mandela durante os 20 anos em que ele ficou preso. O ótimo ator Dennis Haysbert representa o líder, nesse bom filme, que o Telecine Premium vai reprisar no início de dezembro. Imagino que ambos estejam em DVD.

Ao contrário do Telecine, o Canal Brasil homenageia hoje o cinema que retrata o negro nas telas e na história. Às 22 horas, tem Sessão Interativa, que exibirá um entre três filmes colocados em votação e que ainda não foi divulgado. Eu votei no ótimo A Negação do Brasil, que mostra a discriminação dos atores negros na cena brasileira. Só lembro que também estava em votação Quilombo, de Cacá Diegues.

Bom feriadão!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Língua de Trapo e Premê fazem público do Sesc vibrar...



Que delícia ver Língua de Trapo e Premê, juntos, num palco “um pouco” maior que o do Lira Paulistana, relembrando os bons tempos daquele pequeno palco num porão, que agitava noites e fins de semana de gente ávida por novidades e alegria!

Emocionante ver várias gerações – literalmente, de bebês a pessoas idosas – conhecendo, curtindo e relembrando um pouco da efervescência da época (quando, aliás, Premê era Premiditando o Breque e Mário Manga era Biafra).

Eu, que vi e acompanhei o nascimento do Língua na Cásper Líbero, e alguns eventos promovidos pelo Lira, no porão e na praça Benedito Calixto, vibrei de montão!

Como diria Paulinho da Viola, “meu tempo é hoje...”, e como refazer ou voltar ao tempo é impossível, relembrar não faz mal a ninguém! 



No segundo show do projeto Lira dos 30 Anos, do Sesc Consolação, o Língua de Trapo abriu a cena com um grande sucesso do Premê: São Paulo, São Paulo. E depois desfilou muitos de seus sucessos: Burrice Precoce, Fado da Falência, Xote Bandeiroso, O Cookie do Meu Bem, O Homem da Minha Vida, Cagar é bom (com a dupla João e Gilberto)...



Depois da mudança de instrumentos, entrou um Premê afiadíssimo e jovial, que, além de apresentar Brigando na Lua, Pinga com Limão, Fim de Semana e Marcha da Kombi (que as duas bandas cantaram juntas, ao final), fez sua versão de Conchetta, com participação do Laert Sarrumor... E ainda contou com a participação especialíssima do jovem Danilo Morais, filho do Wandi.



Tem mais Lira 30 Anos até dia 9 de dezembro, no Sesc Consolação: Mautner, Ná Ozzetti, Tetê Espíndola, Virgínia Rosa, Alzira E., Passoca, Arrigo, Clemente... Confira a programação.

Veja o trailer do curta de Riba de Castro – um dos sócios do Lira. Outro trecho, recheado com muitos depoimentos, é exibido antes de cada show.



Atendendo a pedidos, aqui vai o link do video Mais Inteligente,
em que dei uma de atriz para os amigos do Língua de Trapo.
 O filme de humor negro, feito em Super 8,
antecipou em pelo menos duas décadas as campanhas antifumo que tomaram conta do mundo...
Confira aqui.